Eles mudaram de vida para mudar a vida das pessoas. Joana D’arc Henzel e Ronaldo Henzel foram e serão para mim uma grande inspiração, um exemplo de entrega, propósito e amor a vida, ao próximo, ao futuro deste país.
Esse casal abriu mão de uma vida confortável no Rio Grande do Sul, para trabalhar dia e noite, de Sol a Sol, pelo projeto de tornar o Vilarejo Baixas, no sertão do Moxotó, em Pernambuco,um verdadeiro oásis. É muito trabalho, árduo e eles enfrentam com coragem e ânimo.
A ONG criada por eles, a ONG PÃO É VIDA, é uma entidade que vive e sobrevive com recursos e parcerias de pessoas que se engajam na mesma corrente solidária de Joana e Ronaldo. Não há recursos de governo, não há vínculos políticos, não há nada além de uma grande corrente do bem.
Para entender o que estou falando de verdade, seria o caso de ficar sete dias aqui, como eu fiquei. Certamente você que lê teria uma noção básica que eu tive sobre o que é viver no sertão. A presença de Ronaldo e Joana aqui mudou a vida do povo, das crianças jovens e idosos.
Eles pisaram em Baixas a primeira vez em meados da década de 2000. Começaram vindo a cada quinze dias ( nessa época já moravam em Pernambuco, Santa Cruz do Capibaribe uma cidade próxima), depois em todos os finais de semana e há quase dois anos, mudaram-se em definivo para cá.
O deserto que era Baixas, onde a fome e a miséria ceifavam vidas pequenas, recém nascidas, de forma assustadora, foi aos poucos se tornando uma terra fértil e produtiva. Ronaldo e Joana, junto com outras ONGs e pessoas, deram vida e perspectivas promissoras a Baixas.
É um trabalho de formiguinha. Em seu “pedaço de chão” o casal trabalha muito, muito mesmo. Como tudo que se implanta ali tem como foco a aplicação nas casas de toda a comunidade, Joana e Ronaldo não passam um minuto do dia parados.
Do formoso pomar a colorida horta, passando pelos chiqueiros, o curral das vacas e um lindo emoções galinheiro, tudo é feito, plantado, criado por eles. Acreditando na corrente do Bom Exemplo, procuram repassar muita coisa aos mais novos, as crianças.
Nessa levada frenética de um sonho para ambos, eles já começam a acompanhar o surgimento das primeiras hortas e pomares no Vilarejo. Joana fica orgulhosa e radiante, Ronaldo sorri entendendo que nada daquilo será em vão.
Os pomares e as plantações de melancias também estão presentes e prosperando. Aos poucos o povo está cercando melhor suas terras, criando suas próprias verduras e legumes. Criando cabras, produzindo é muito.
Isso só foi possível graças ao trabalho de Joana e Ronaldo que buscaram parceiros e amigos que se solidarizam com a causa e toparam ajudar muito.
Cerca de oito poços perfurados por Joana e Ronaldo, funcionam a todo vapor na comunidade. Desde que chegaram aqui já conseguir construir e equipar uma clínica odontológica para atender a comunidade. Com recursos próprios, muitas vezes tirados do próprio bolso, custeiam o material e o combustível dos dentistas que fazem os procedimentos gratuitamente. Toda a comunidade é atendida.
Outra obra feita pelo casal foi a construção do Espaço Pedagógico, onde as crianças recebem reforço escolar e oficinas variadas. Atualmente estão construindo, também com recursos próprios a primeira Biblioteca de Baixas. Na sexta-feira, Ronaldo amanheceu virando massa de cimento no Sol forte para que o sonho se torne realidade.
Já foi possível, por intermédio do trabalho da ONG, construir diversas casas de alvenaria aos moradores locais, colocando abaixo as velhas casas de Taipa (barro e madeira). Ronaldo e Joana trabalham ainda na conscientização e na educação para a sustentabilidade. Como eles mesmo dizem, as pessoas precisam ser emancipadas e ter condições de levar uma vida digna e independente.
Com este olhar, trabalham muito para implantar a cultura da agricultura familiar sustentável, e buscam a todo momento novos parceiros para manter os poços em funcionamento. Vivem essa realidade de domingo, a domingo, 365 dias por ano.
Sua dedicação e devoção ao futuro de Baixas é a maior lição que aprendi em toda a minha vida. Eles não precisavam estar aqui. Eles estão por que querem, não se vangloriam, muito menos reclamam de nada. Apenas seguem seu coração, trabalham pelas mais de 300 famílias que vivem por aqui e ainda encontram tempo para receber um jornalista de Curitiba por uma semana e dar a ele um tratamento de pai e mãe. Fonte: http://alemdomeuumbigo.com.br/o-bom-exemplo-de-joana-e-ronaldo/
Nós que fazemos a ONG Pão é Vida agradecemos sua visita, Pedro Rodrigues, que sua missão seja realizada com sucesso.


Atividades nas escolas de Inajá - PE
Alfabetizando os pequeninos do Sertão.