quarta-feira, 25 de maio de 2011

AJUDA HUMANITÁRIA EM CATENDE / PE

 NINGUÉM ESTÁ AUTORIZADO A PEDIR DOAÇÕES EM NOME DA PÃO É VIDA, POR TELEFONE OU MENSAGEIRO. DOAÇÕES DIRETAMENTE NA CONTA CORRENTE DA INSTITUIÇÃO.
 
AJUDA HUMANITÁRIA  EM CATENDE / PE
Dia 21 de maio de 2011 estivemos em Catende / PE, um dos 9 municípios em estado de calamidade pública em Pernambuco.
Fomos acompanhados pela voluntária Elda que é natural do município, ao chegarmos ao local onde estavam os desabrigados constatamos que a defesa civil vetou a volta das famílias para as áreas de risco. Elas terão que ficar nas barracas que foram montadas dentro de um ginásio de esportes até o mês de agosto, quando terá passado a época das chuvas. Espera-se que elas não tenham que voltar para as áreas afetadas pelas enchentes.
Há barracas com 4 pessoas e outras abrigam até 10 pessoas... Apenas 1 banheiro para cerca de 150 pessoas.
Dentre os desabrigados tinha uma senhora idosa que foi socorrida quando a água chegava quase ao pescoço, e seu filho, que é deficiente físico também foi salvo. Eles também não tem para onde ir  quando agosto chegar.
Espera-se que elas não tenham que voltar para as áreas afetadas pelas enchentes, que alguma providência possa ser tomada até lá.
Diferentemente das enchentes do ano passado quando houve maior mobilização da sociedade para ajudar os desabrigados, esse ano foi bastante difícil conseguir donativos.
Talvez porque é a segunda tragédia em menos de ano, não é um “acontecimento inédito”. Que mereça atenção. Outra hipótese seria que a mídia tendo outras demandas como prioridade, não se focou na questão da situação das famílias pós-enchentes.
O mês de abril de 2011 foi o mais chuvoso dos últimos cem anos no estado de Pernambuco.
fonte da notícia: G1 Globo
As enchentes causaram estragos em mais de 50 municípios, 9 deles estão em estado de calamidade pública em Pernambuco. Fonte: Noticias.uol.com.br

O mês de abril foi o mais chuvoso dos últimos 100 anos no estado. A falta de estradas dificulta a vida dos moradores da zona rural.
Logo na entrada de Engenho Rochedo, uma cratera se abriu na PE-126. Para atravessar, só subindo até a parte mais alta.
Seguindo pela estrada que dá acesso a alguns assentamentos da cidade, vários deslizamentos pela frente. Um deles tomou um lado da pista.
Uma barreira que caiu está interditando o acesso a comunidades como Tabaiaré, Jardim, Buriti e Bomboréu. Nenhum tipo de veículo passa, só pessoas e mesmo assim, o caminho não é fácil, a lama chega até o joelho.
No Engenho Ousadia, o problema é a água. O nível do riacho de São José subiu. Apesar de estreito, o manancial é fundo. Várias casas estão isoladas.
O principal problema causado pelas enchentes nas áreas rurais de Pernambuco é a falta de acesso. Nenhum tipo de veículo consegue trafegar pelas estradas e muitas pontes foram destruídas. Ainda não se tem ideia de quantas comunidades rurais estão isoladas no estado.
A União e o Estado de Pernambuco assinaram nesta sexta-feira (13) um convênio para a construção das barragens de Panelas 2 e Gatos, com investimentos de R$ 65 milhões, sendo que R$ 11,5 milhões são de contrapartida estadual. De acordo com o governo, o objetivo é amenizar os problemas de enchentes nos municípios da Zona da Mata e parte do Agreste pernambucano.
SEJA UM ASSOCIADO MANTENEDOR DESSA INICIATIVA
ASSOCIAÇÃO PÃO É VIDA - AG: 0361 -1 CONTA CORRENTE 15.422-9 - BANCO DO BRASIL.
Email paoevida@paoevida.org        
SEDE ADMINISTRATIVA: RUA DIÓGENES TABORDA 16 CASA 02- Jardim Eledy São Paulo/SP CEP: 05856030 - email: paoevida@paoevida.org
PONTOS DE APOIO E PARCERIAS NO NORDESTE: CURRAIS NOVOS RN / SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE / PE  - MANARI / PE

quarta-feira, 18 de maio de 2011

O plantio de hortaliças já é realidade nas Baixas


Um lugar inóspito no meio do Sertão famílias vivendo em situação de abandono social. 
Um dos nossos desafios era desenvolver ações contínuas despertando habilidades dos moradores... 

O plantio de hortaliças já é realidade por lá... Coentro, beterraba, alface... em um local onde nada se plantava, Isso é maravilhoso! 
Após uma capacitação realizada com 12 famílias das Baixas realizada por técnicos na comunidade.
Descobrir o potencial regional de cada comunidade e incentivar as pessoas a acreditar na mudança. Esse é o passo inicial para vencer o assistencialismo, que apenas vicia o “cidadão” e fazer com que a miséria seja uma vaga lembrança de um passado recente.
A ONG Pão é vida está investindo na criação de um projeto modelo de fruticultura, em sua base operacional no Sítio Baixa II. O objetivo da instituição é incentivar multiplicação do modelo para outras famílias.

No início de 2010 fomos conhecer mais uma comunidade que fica na divisa de Pernambuco com Alagoas a sensação que tivemos era de ter voltado no tempo... Casas sem mobília, crianças aos 8 ou 9 anos que nunca tiveram uma escova de dente... 
Eles vivem a uns 30 km da cidade de Manari, já no visinho município de Inajá.
Alguns dizem ser descendentes de índios, possuem até um ritual chamado Toré. Existe até um projeto da FUNAI para reconstruir a aldeia e proteger o TORÉ como "patrimônio histórico", isso tem sido esperado...
Iniciamos em novembro de 2010 uma campanha denominada NATAL COM MESA FARTA, o alvo era levarmos um caminhão de alimentos para essa região de difícil acesso. O objetivo foi alcançado graças à solidariedade de diversos parceiros.
No dia 04 de dezembro 2010 realizamos a entrega das cestas nos sítio das Baixas.
A equipe da ONG Pão é Vida que já desenvolveu outros projetos no Sertão do Moxotó: pintura em tecido e customização.

As crianças ganharam kits contendo escova, creme dental e sabonete, durante ação a Dra Pollyanna ensinou como escovar os dentes corretamente. Os fantoches foram utilizados para mostrar às crianças a importância da higiene bucal.
Uma das experiências mais marcantes pra gente foi quando vimos um sertanejo magro pela  estrada, andava em um jumento e carregava uma espingarda e um alforje vazio.
Paramos ao lado dele, Ronaldo abordou ele perguntando se aceitaria uma cesta de alimentos, ao que ele prontamente disse sim. Ao receber os mais de 30 kg de alimentos, com voz embargada disse: Moço está vendo aquela serra lá longe, saí de lá ao nascer do sol, em busca de uma caça, e até agora não encontrei nada, (eram aproximadamente 14:00h). Deus ama você, e esse amor está sendo expresso através dessa ação...

O sertanejo tirou o chapéu e ergueu aos céus, abraçou o Ronaldo com olhos marejados. Vimos que ele ficou sem palavras...
Precisamos de apoio financeiro para que possamos avançar com o objetivo de implementar projetos nas comunidade onde com a ajuda de parceiros.

VOCÊ PODE CONTRIBUIR SE DESEJAR: ASSOCIAÇÃO PÃO É VIDA - AG: 0361- 1 CONTA CORRENTE 15.422-9 - BANCO DO BRASIL.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

ENCHENTES EM PERNAMBUCO - AJUDE DOANDO ALIMENTOS


Em Água Preta PE em menos de um ano a população vivencia quatro enchentes.  Junho de 2010 marcou a maior dos últimos tempos, seguida por uma de menor proporção. 
Duas enchentes em menos de 48 horas, entre o dia 03 e 05 de maio DE 2011.

A ONG PÃO É VIDA ESTÁ RECOLHENDO DONATIVOS PARA LEVAR AOS DESABRIGADOS.
ENTRE EM CONTATO E SAIBA COMO E ONDE DOAR  (81) 9752 0140 (81) 9278 9315
                                           OUTRAS NOTÍCIAS SOBRE AS ENCHENTES
A cidade Água Preta, com 33 mil habitantes, está entre as mais atingidas pelas chuvas da última semana em Pernambuco. No estado, segundo a Defesa Civil, há 4.935 famílias desabrigadas e 10.193 desalojadas. Só em Água Preta, na região da Zona da Mata, cerca de 30% da população (aproximadamente 10 mil pessoas) foi afetada pelas inundações até esta segunda-feira (9), conforme a assessoria de imprensa da prefeitura. Pelo menos 864 famílias continuam desabrigadas.
Na última sexta-feira (7), porque havia muitas crianças e gestantes desabrigadas nas ruas, o prefeito Eduardo Coutinho “mandou abrir” a sede da Igreja Universal do Reino de Deus da cidade, que é localizada na Praça dos Três Poderes, no centro, e estava vazia e fechada.
“O prefeito estava apavorado com a situação e pediu autorização do juiz para abrigarmos as famílias no local”, disse a assessora de imprensa do município, Diná Mileide. Segundo ela, “não houve uma autorização judicial formal”. “O juiz entendeu a necessidade e afirmou ao prefeito que poderiam entrar”, afirmou Diná. O nome do magistrado não foi divulgado pela prefeitura.


A prefeitura informou que 14 famílias continuam abrigadas no local e que fez um levantamento dos móveis e utensílios dentro da igreja para evitar danos ou furtos. Segundo a assessora, dois advogados da Universal estiveram no local para conferir a situação e não se opuseram à ocupação.
água preta (Foto: Prefeitura de Água Preta/Reprodução)Ruas foram interditas por inundação em Água Preta
(Foto: Prefeitura de Água Preta/Divulgaçãoo)
G1 tentou contato com o setor jurídico da Universal em São Paulo e mandou e-mail à assessoria de imprensa da igreja, mas até as 9h desta segunda-feira não obteve retorno.


A prefeitura informou que, na área rural da cidade, pouco menos de 5 mil pessoas continuam ilhadas, ou com difícil acesso. Os pacientes que precisam fazer hemodiálise estão sendo resgatados por helicóptero e mais de 30 engenhos foram destruídos.
Nesta segunda-feira, o prefeito da cidade irá se reunir com o governador Eduardo Campos para verificar o possível envio de verbas para a região, informou a prefeitura. Cidades em calamidade - A Defesa Civil de Pernambuco informou que 9 municípios declararam estado de calamidade pública e 26 estão em situação de emergência; ao todo, 55 sofreram com os efeitos das chuvas.
O estado de calamidade pública está um nível acima da situação de emergência na classificação dos efeitos que um desastre provoca sobre a comunidade. Nos dois casos, o município consegue acelerar o repasse de recursos dos governos estadual e federal para reparar os danos. Os nove municípios que decretaram estado de calamidade pública foram Água Preta, Barreiros, Catende, Cortês, Jaqueira, Maraial, Palmares, Primavera e Xexéu.
Os 26 municípios em emergência são: Amaraji, Barra de Guabiraba, Belém de Maria, Bom Jardim, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Casinhas, Cumaru, Escada, Gameleira, Goiana, Jaboatão dos Guararapes, Limoeiro, Nazaré da Mata, Passira, Paudalho, Pombos, Ribeirão, Rio Formoso, São Lourenço da Mata, São Vicente Férrer, Sirinhaém, Tamandaré, Timbaúba, Vicência, Vitória de Santo Antão. LEIA A NOTÍCIA NA FONTE

A ONG PÃO É VIDA ESTÁ RECOLHENDO DONATIVOS PARA LEVAR AOS DESABRIGADOS
ENTRE EM CONTATO E SAIBA ONDE DOAR (81) 9752 0140

A Organização das Nações Unidas Cultura (UNESCO) se posicionou favoravelmente ao kit anti-homofobia

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) se posicionou favoravelmente ao kit anti-homofobia desenvolvido pelo Ministério da Educação (MEC). Consultada pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transexuais (ABGLT), a entidade afirmou, por meio de ofício, que os materiais educativos do projeto "estão adequados às faixas etárias e de desenvolvimento afetivo-cognitivo a que se destinam, de acordo com a Orientação Técnica Internacional sobre Educação em Sexualidade, publicada pela UNESCO em 2010".
No documento, a UNESCO destacou que o kit utiliza "a mesma abordagem teórico-vivencial que é adotada pelo Programa Brasileiro Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE), coordenado pelos Ministérios da Educação e da Saúde, com apoio das Nações Unidas no Brasil".
A organização parabenizou o MEC e a ABLGT, afirmando que está certa de que o material "contribuirá para a redução do estigma e discriminação, bem como para promover uma escola mais equânime e de qualidade".
- Neste sentido, entendemos que este conjunto de materiais foi concebido como uma ferramenta para incentivar, desencadear e alimentar processos de formação continuada de profissionais de educação, tomando-se como referência as experiências que já vêm sendo implementadas no país de enfrentamento ao sofrimento de adolescentes lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e transgêneros.
Sobre o apoio institucional solicitado pela ABLGT ao projeto Escola sem Homofobia, a UNESCO esclareceu que só pode incluir sua logomarca em materiais produzidos pela entidade ou naqueles resultantes de acordos de cooperação técnica. Ela, no entanto, colocou-se à disposição para "discutir possibilidades de cooperação futura".
Polêmica - O projeto Escola sem Homofobia começou a ser desenvolvido pelo MEC a partir da constatação de que são recorrentes casos de discriminação a adolescentes homossexuais no ambiente escolar.
Apelidado pejorativamente de "kit gay", o material didático, que contém cartilha, cartazes, folders e cinco vídeos educativos, vem dividindo opiniões e provocando discussões inflamadas. A principal crítica é que estimularia a homossexulidade entre crianças e adolescentes.
A proposta do Ministério da Educação é distribuir o kit inicialmente em 6 mil escolas públicas já em 2011, mas há mobilizações na internet tentando impedir a circulação do material.

Levantamento aponta mais de 150 mil homicídios sem solução no país Rio e Minas têm maior número de inquéritos não concluídos.

Levantamento aponta mais de 150 mil homicídios sem solução no país

Rio e Minas têm maior número de inquéritos não concluídos.

Levantamento divulgado nesta segunda-feira (9) pelo Conselho Nacional do Ministério Público mostra que 151,8 mil inquéritos sobre homicídios, iniciados até 31 de dezembro de 2007 ainda estão sem solução em todo o país. São investigações que ficaram paradas em delegacias ou na Justiça, sem identificar o autor do crime, mas que não foram arquivadas.
Os números fazem parte do “Inqueritômetro”, um sistema de acompanhamento dos inquéritos sobre homicídios que passa a funcionar a partir desta segunda.
As informações foram enviadas pelo Ministério Público dos estados aos órgãos que compõem a Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp): Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Ministério da Justiça (MJ).
De acordo com os dados, o Rio de Janeiro é o estado com maior número de investigações de assassinatos não solucionadas. São 60 mil inquéritos no estado. Em segundo lugar, está Minas Gerais com 20 mil, seguida pelo Espírito Santo (13.610), Pernambuco (11.462) e Bahia (10.145).
A juíza federal Taís Ferraz, conselheira do CNMP, é responsável pelo levantamento e explica que o objetivo era dimensionar o problema.
Uma das metas estabelecidas pela Enasp é eliminar esse estoque de inquéritos até o final deste ano. Estados com menos de 4 mil investigações terão até julho de 2011 para solucionar o passivo. Nos casos em que o número estiver acima de 4 mil, o prazo termina em 31 de dezembro deste ano.
Os principais entraves para a finalização desses inquéritos são a falta de estrutura das polícias civis e a dificuldade na produção de provas pela perícia. No entanto, a redução da burocracia é apontada como arma para solucionar as investigações.
“Às vezes, há falta de estrutura nas polícias técnicas e às vezes falta conversa entre o Ministério Público e a polícia para saber o que é necessário ter no laudo pericial. Mas é possível melhorar, independentemente de dinheiro. A estrutura está precária, mas pode-se melhorar com outras ações”, explica Taís Ferraz.
Na avaliação da conselheira, a maioria dos estados tem condições de cumprir a meta dentro do prazo. No entanto, a tarefa é mais difícil de ser alcançada por estados com os maiores estoques, como Rio de Janeiro e Minas Gerais.
“Não é possível ainda dizer que vão cumprir [a meta], mas muitas forças-tarefa foram criadas nesses estados para eliminar burocracia nos casos de homicídio. A ideia é abandonar os discursos de culpa e trabalhar em conjunto, não só para dar uma resposta às famílias para identificar gargalos”, afirmou a conselheira.
O inqueritômetro, que pode ser consultado no site do CNMP, traz os dados enviados até 30 de abril deste ano. O sistema será atualizado mensalmente com informações do Ministério Público dos estados.
G1 - LEIA A NOTÍCIA NA FONTE


Luiz Nilo - Voluntário da ONG Pão é Vida, assassinado em  2008 - Ele faz parte dessa triste estatística , o crime aconteceu em Santa Cruz do Capibaribe / PE

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Joana e Ronaldo  por Aristóbulo LIma

Fonte do da notícia : http://passadocontinuo.blogspot.com/

Nestes dias em que a regra é sempre o “primeiro eu, o resto que se exploda”, onde o egoísmo e a ganância imperam e o cruel jogo da sobrevivência nos impele a passar por cima uns dos outros em nome do êxito e riqueza pessoal, é difícil crer que ainda possa existir um altruísmo autêntico e verdadeiro.
Também pudera, tantos e tantos casos de pseudo-filantropos que se aproveitam da generosidade alheia e até de fundos governamentais para locupletar os próprios bolsos nos fazem ficar “cabreiro” ante qualquer demonstração do que será algo verdadeiramente pensado para o próximo.
Mas não podemos perder a esperança e SIM o verdadeiro trabalho altruísta, pensado, gerido e voltado para o próximo, para os menos validos na vida, em detrimento do enriquecimento pessoal, existe e pode ser encontrado bem perto da gente.
Dois estados tão distintos e tão distantes um do outro neste nosso continental país. Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte, o Brasil se encontra na solidariedade, através da ação de um jovem casal, ele, um gaucho, Ronaldo Henzel, ela uma potiguar, currais-novense por sinal, Joana Darc, a primeira vista um casal como outro qualquer, gente de classe média, poderia se passar por um casal de profissionais liberais, comerciantes, funcionários públicos etc., mas não, eles exercem um dos mais nobres trabalhos filantrópicos, através da ONG (Organização Não-Governamental) Pão é Vida.
Quem não conhece o trabalho da ONG (Organização Não-Governamental) Pão é Vida, deveria conhecer. Eles escolheram como meio de vida desenvolver uma ação de inclusão social, fundado no trabalho voluntário e sem qualquer vinculação com órgãos públicos instituições ou igrejas, dentro de um velho ônibus Marcopolo II, eles peregrinam entre cidades do alto sertão de Pernambuco e Alagoas, uma das regiões mais sensíveis, para não dizer miseráveis, do país, levando muito além de um assistencialismo barato, mas sim profissionalização, capacitação profissional, oficina de leitura, assistência médica, tudo isto sem custo algum às comunidades.
Atualmente eles estão baseados na cidade de Santa Cruz do Capibaribe, Pernambuco, cidade conhecida não só pelas suas confecções, mas também pela sua incomum violência urbana.
É fácil criticar o estado por não estar presente nas comunidades mais desvalidas do país o difícil é arregaçar as mangas e buscar preencher os espaços vazios deixados por este estado ausente. E isto Ronaldo e Joana fazem.
Nesse mundo em que a ascensão social e o enriquecimento, ou tentativa de enriquecimento, a todo custo são uma regra, uma maldita regra que se impele passar uns por cima dos outros, lagar tudo, todas as regras deste jogo infame chega a beirar as fronteiras do absurdo. Absurdo?! Absurdo seria não pensar no próximo.